Pular para o conteúdo principal

No Privilégio




Em tempos de pandemia, uma reflexão sobre temas "atuais"


No privilégio não tem pandemia, não tem preocupação, não tem empatia.

No privilégio não tem medo, não tem consciência, não tem reflexão.

No privilégio tem praia, diversão, bares, festas da firma, viagem internacional, plano de saúde.

No privilégio também tem vírus, UTI lotada, amigos doentes, um país devastado. 

Mas é só fugir, correr para as colinas geladas do privilégio e guardar apenas a recordação de "um país onde vivi um dia".

O privilégio está na cor, no dinheiro, na falta de consciência.

O privilégio está no ego, na busca de uma alma perdida por conquistar todos os seus desejos efêmeros que o capitalismo ajudou a perpetuar.

"O desejo é uma vontade que enlouqueceu", já dizia Osho.

Vivemos numa sociedade que nos condicionou desde cedo a querer mais, a saber mais, a ser mais. Precisamos ganhar mais que os outros, saber mais que todos, ser melhores que os outros.

Privilégio foi algo que a humanidade criou. 

Na cegueira de tentar ser superior ao outro. Escravizamos, culpamos, jogamos ao relento aquele que não é "igual a nós".

Em pleno século XXI ainda precisamos libertar pessoas de condições análogas à escravidão, explicar que racismo reverso não existe e viver esperando dias melhores.

Veremos o resultado de uma sociedade enfim consciente e fraterna?

Sinceramente? 
Acredito que não nessa vida.

Mas e o agora então? 
Fazemos o que é possível. 



Aquele que aceita diálogo, dialogamos. Aquele que desaprendeu a conversar e olha apenas para o próprio umbigo, seguimos na luta para mostrar a realidade.

Uma coisa que é bastante perigosa e exige um certo cuidado ao se falar é "espiritualidade".

Muitos de nós ficamos cegos pela cultura do "gratidão ao meu algoz", "viva a energia positiva", "sai daqui com essas notícias ruins e essa bad vibe", "não vejo cor, só pessoas"... 

Tapar o sol com a peneira, diriam os antigos.

Qual a diferença de quem se esconde atrás do privilégio e de quem se esconde atrás do falso Namastê? 

Para mim, nenhuma.

Se finge não ver a realidade, não importa por qual motivação seja, está fora do mundo real. Está fechando os olhos para as próprias feridas e as mazelas da humanidade. Está se esquecendo que todos fazemos parte desse sistema. 

Todos.

É preferível olhar para dentro e ao mesmo tempo para fora, do que julgar o outro como inferior por não seguir os mesmos passos que os seus.

Certa vez vi um professor de Yoga julgar, gritar e apontar dedos para dizer que todos os outros estão errados por comerem carne e ele não, pois é vegetariano (como "manda" a tradição).

Vou julgá-lo? Não. Ele está aqui como eu, aprendendo. 
Vou discutir? Não, ele nem vai me ouvir. 
O que faço então? Nesse caso específico, nada. Apenas existo. Deixo que o fluxo da vida faça o resto.

"Ah então está errado militar pelo vegetarianismo ou pelo fim do privilégio branco?" Claro que não. Está mais do que certo! Ficar sem fazer nada ou em cima do muro, é compactuar com o erro.

Mas é importante saber em quais situações e em quais momentos se retirar e observar. Mude de estratégia, tire um tempo para se cuidar e volte a agir.

Há um tempo para tudo. 

E esse é o tempo do despertar.

(...)

Enquanto uns seguem passeando, festejando, aglomerando em restaurantes onde o único que usa máscara é o garçom (que, pasme você: ele também tem família, provavelmente mora longe e vai ter que contar com o SUS caso o privilegiado o contamine "sem querer" com algo), o mundo segue girando, a doença segue matando e os profissionais de saúde seguem exaustos.

Espero, sinceramente, que alguma palavra, mesmo que não sejam as minhas, toque o seu coração.

Espero, de coração, que você não precise sentir na pele, no corpo físico ou na dor da perda de alguém, para começar a RESPEITAR a atual situação.

Se cuidem. 

Lokah Samastah Sukhino Bhavantu





Ana Carolina Reis
Niterói, 27/12/2020


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 Filmes para expandir a consciência

25 Filmes para expandir a consciência Filmes – Expansão da consciência – Documentários – Física Quântica – Despertar – Curadores – Nova Terra – Filmes espíritas Olá! Gratidão por ter você aqui novamente! Feriado chegando, e nada melhor do que uma lista de filmes para assistir com a família, amigos ou na melhor companhia de todas: a sua com você mesmo. Pensando nisso, preparamos mais uma lista filmes com temas de expansão da consciência, espiritualidade, a Nova Terra, despertar coletivo, dentre documentários, filmes “sessão da tarde”, indo até alguns mais densos e com cenas impactantes. Ou seja, tem para todos os gostos! Aproveite e compartilhe! Afinal, tudo que consumimos, influencia na nossa vida, na nossa saúde e na nossa evolução como seres neste planeta. Já parou para pensar com o que tem alimentado seu conhecimento? Não é apenas com a comida que devemos ter atenção. Mas também com o que lemos, assistimos e assimilamos de alguma forma em nossos corpos fí

Os 7 Principais Chacras

Olá! Gratidão por ter você aqui! Esse texto surgiu de uma série de postagens no nosso Instagram @evoluirjuntos em parceria com o Espaço Aroma de Flor Terapias Alternativas @aromadeflorterapias , para explicar o que são os chacras ou chakras e quais são os 7 principais deles! Assim, você pode saber qual a importância disso na sua vida e ter dicas de como equilibrar cada aspecto em desequilíbrio. Esse texto foi escrito de forma bastante simples, para que todos possam compartilhar! O que são chakras? Você já ouviu falar de “chakras” ou “chacras”? Trazendo para a nossa língua, podemos traduzir como “Centro de Energia” ou simplesmente “Roda” que é a palavra de tradução literal do sânscrito (a língua ancestral da Índia e do Nepal). Nós não somos apenas um corpo físico, mas também, assim como todo o restante do Universo, somos energia . Esta energia, se manifesta em vários níveis: a matéria, formada pelos átomos que é o seu corpo físico (esse mesmo aí que você

Sensação de vazio

Energias da nova Terra e a sensação de "vazio" Ao sentir que falta algo em nossa vida, começamos uma busca para preencher esse vazio. O problema, é que começamos procurando do lado de fora. Demorei bastante tempo para perceber isso, e seguirei até o fim dessa experiência aprendendo mais e mais. Acontece que vivemos num mundo palpável, concreto, na terceira dimensão. Queremos e desejamos tocar, sentir que possuímos algo, e só assim acreditamos estar tudo bem. Porém, logo em seguida, aquilo que foi conquistado perde a graça, e agora almejamos outras coisas, outros sonhos, outros objetos, outras viagens, etc e etc. A mente está sempre ansiando por algo novo, nos acorrentando em algum lugar futuro. Ela pode apenas criar novas esperanças, novos desejos, mas nunca nos dá os benefícios desse “algo novo”.. “ O desejo é uma vontade que enlouqueceu” (Osho). E assim seguimos desejando, comprando, e achando que nos falta sempre alguma coisa. Nem que seja um nov