Sobre enxergar os sinais

By Evoluir Juntos - abril 05, 2018




(e sobre ouvir a si mesmo)

Olá! Gratidão por você estar aqui!

Muitos de nós começamos a revisar os meses que se passaram, quais metas cumpriram, o que foi conquistado, etc, e vem aquela pergunta: e aí, você já encontrou seu lugar? Já tem clareza sobre o que quer fazer?

Para quem tem caminhado pelas estradas do autoconhecimento, essa busca é parte da caminhada. Até porque, como já dissemos por aqui no blog, nada é permanente. Você pode muito bem mudar de ideia, de profissão, de cidade, ou do que quiser.

Você já se perguntou, se por acaso, aquilo que você tanto procura não está bem na sua frente? Falando com você? Através dos mais óbvios ou dos mais sutis sinais?

Pois é, isso acontece (e muito).

Em um texto anterior, falei para vocês sobre ser uma pessoa “multipotencial”, de ter vários gostos, e como isso pode confundir nossa mente na busca por um foco. Às vezes, uma simples conversa, uma música, um outdoor e algumas sutilezas podem mudar a sua perspectiva e o seu ponto de vista.

Se sentir perdido (ou faltando algo)


Às vezes parece que nós somos os únicos na Terra (sente o drama!) que não encontramos a “profissão ou carreira perfeita”. Somos os únicos que ouvimos em toda reunião de família “mudou de novo?”, ou “você faz o quê mesmo?”, etc e etc. Mas perceba: já nos coloquei no plural. Porque somos muitos! E estamos aqui mesmo para evoluir.

Olhamos a nossa volta, vemos nossos amigos, parentes e pessoas desconhecidas com a carreira deslanchando, formando famílias, viajando pelo mundo, etc e etc. E hoje em dia, com as redes sociais, isso fica cada vez mais chamativo. E aí está um dos nossos piores modos de ver a vida: comparando nossos bastidores com o palco do outro. Mesmo que o seu objetivo final, o seu palco, não seja igual ao do outro, inevitavelmente você se compara (afinal, todos temos ego).

O que é o ego? Osho explica: http://www.oshobrasil.com.br/texto_1.htm

Às vezes nem imaginamos o quê aquela pessoa passou para chegar até ali, qual estrada tortuosa ela pegou, quantas montanhas subiu, quantas vezes quase desistiu, e quantas tantas outras vezes errou e trocou de estrada. Não se engane com redes sociais. O essencial, o que é verdade mesmo, nós não vemos. Cada um sabe o que é estar na própria pele.

O fato é que: se você sente que está faltando algo, há um vazio ou uma dúvida aí dentro, não ignore isso. Procure, medite, peça ajuda, que de alguma forma sua resposta virá.

Pedindo ajuda


É importante termos a capacidade de pedir ajuda. Você atrairá aquilo que vibra. Por isso, é importante aumentarmos a nossa vibração energética. Assim como é importante pedirmos ajuda. Se estamos fazendo isso, passaremos a mensagem de que estamos abertos a receber ajudas, respostas e dicas. E aqui é  a hora de ficar atento para não perder os sinais.

Pedir ajuda” é algo muito amplo. Podemos pedir ajuda na nossa fé, em orações; podemos pedir aos amigos que já passaram pela mesma situação e venceram; a nossa família que nos conhece tão bem; a um especialista no tema que procuro; a professores, tutores, terapeutas, livros, cursos, psicólogos, coaches, etc e etc! As possibilidades são infinitas!

No entanto, é importante saber que quem tem a resposta é você. As pessoas podem te dizer quais são seus talentos, o que elas admiram, para o que você leva jeito, te dar dicas de cursos, leituras, indicar um profissional conhecido, rituais, etc. Mas atente-se para utilizar essas ferramentas para ativar a sua verdade interior.

As intenções das pessoas podem ser as melhores possíveis, mas a resposta está em você. Você pode ser mil vezes elogiado por um talento, como por exemplo, habilidade para organizar, limpar e arrumar coisas. Mas não é por isso que você necessariamente será um “personal organizer”, se no fundo da sua alma você sente que seu coração vibra mesmo é pelos esportes. E está aí o seu caminho.

Sinta: o que você ama fazer? Faça esse exercício: se eu pudesse ser qualquer coisa, se não houvesse nenhum impedimento, o que eu faria?


E aqui vou te contar um “segredo”: você pode fazer qualquer coisa. É você que vibra e cocria tudo que acontece na sua vida.

Então porque eu não tenho a resposta?


É aqui que muita gente “empaca” e volta algumas casas nesse jogo. Eu mesma já fiz isso várias vezes. Isso se deve a nossas crenças limitantes, a nossa bagagem de vida e em tudo que fomos acostumados ou treinados a ser, fazer e acreditar.

Nos achamos incapazes, que a missão é impossível, que precisa de muito dinheiro, ou que “isso não dá dinheiro”, que ninguém vai querer ouvir, já tem muita gente fazendo isso, a timidez impede, precisa de diploma, dá muito trabalho, o que pensarão de mim? Etc, e etc. Quem nunca?

Tudo não passa de uma grande ilusão. Mas é claro que não basta eu vir aqui te dizer isso. É preciso trabalhar essas crenças, olhar para dentro de si, enfrentar medos. Muitas crenças nos herdamos da nossa infância, ou de relacionamentos do passado, de frases que escutamos ao longo da vida e ficam no nosso subconsciente (exemplo: a vida é dura; esse mundo é cruel; gente rica não presta; etc).

Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Esse é o eu. E o outro centro, que é criado pela sociedade - o ego. Esse é algo falso - é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar de uma certa maneira; você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, você já não sabe quem você é.” Osho.

Existem diversas técnicas para ressignificar essas crenças (Thetahealing, EFT, psicoterapia, entre outras), além da própria meditação, e do silêncio que são essenciais. Mas como aqui estamos tratando dos sinais, é essencial estar atento enquanto trata essas limitações que todos temos.

Quais são os sinais?


Não há uma lista de sinais. O que existe é uma identificação, intuição. Aquilo que faz você vibrar, mesmo que você tenha medo. Aquele desejo antigo, um sonho de criança, também pode te dar alguma indicação. Uma conversa que você tenha, algo que escute na rua, um livro, um texto no Outdoor, situações e cenas que se repetem, enfim. Eu poderia ficar aqui especulando quais seriam esses “sinais”.

Sri Prem Baba uma vez deu uma dica, sobre como saber o seu propósito nessa vida. Ele recomenda que tentemos lembrar, ou podemos perguntar aos pais e parentes, o que nós dizíamos que iríamos ser quando adultos? Pode ser uma dica para encontrar o caminho.

Não se prenda muito na palavra “propósito” achando que você precisa de algo extraordinário para cumprir sua missão nesse mundo. Todos somos Um, e para tudo funcionar por aqui, todos tem sua função. Mesmo que agora, para você, pareça ser algo muito simples.

É você quem precisa sentir. A meditação ajuda muito, algumas ideias podem surgir após a prática. Para mim, veio em experiências que eu escrevi num caderno. Todas as ideias que eu tinha, anotava. Depois de um tempo, já com outras ideias, medos e menos crenças, voltava naquelas páginas para ler novamente. E assim por diante. Em um dado momento, fiz a conexão de onde tudo se repetia.


Como todo ser humano, errei bastante (e continuo errando e aprendendo), fui influenciada por opiniões alheias, por ideias da sociedade, etc. A opinião do outro, é a opinião do outro. Mas saber distinguir quando é um sinal ou um alerta para o que temos pedido, é importante. Nós temos a capacidade de sentir quando essa opinião vibra com a nossa energia.

Sabe porque decidir no cara ou coroa, jogando uma moeda, pode ajudar? Porque assim já ficamos sabendo para o que estamos torcendo! Esse pode ser um sinal 😉

Concluindo


Hoje em dia, diferente de tempos passados, temos escolhas demais. O que, para alguns, acaba dificultando e se tornando um desafio. Daí a importância de se ouvir, de saber que os sinais vem quando estamos abertos.

Não há um manual de “Como enxergar os sinais e encontrar todas as respostas”. Mas você pode começar a olhar para dentro de si.

E aqui te dou uma dica. As dúvidas vão continuar surgindo. Vai vir aquele friozinho na barriga de “Será que fiz a escolha certa? Acho que não devia ter escolhido isso… E se der tudo errado?”. Está tudo bem.

Sabe como você vai saber isso? Fazendo. Você já deu o primeiro passo na intenção de mudar. Então agora vá lá! Se atreva a continuar o que você começou. Se não der certo? Bom, como você vai saber se ainda nem tentou?

Aprendamos a silenciar a mente, para ouvir os sinais da alma.


Boa caminhada!

Gratidão!


Ana Carolina Reis


  • Share:

You Might Also Like

0 comentários